18 de mai de 2015

Ínfima reflexão

Essa reflexão faz parte do texto de introdução de um livro do Wilhelm Reich. Caso não tenha lido, clique aqui para ler.


Mães e pais, sintam-se mal quando seus filhos esperam a opinião de vocês sobre um assunto para posteriormente formarem a deles, e principalmente, se for exatamente igual a sua.

Não me entenda errado, temos muito que agradecer a geração de vocês: hoje temos nossa liberdade de expressão e uma democracia.

Mas também temos muitas pessoas sendo assassinadas apenas por serem homossexuais, e/ou, travestis, e/ou, transexuais. Também temos muitas mulheres sofrendo alguma forma de abuso. E muitos outros problemas que vieram muito antes da época de vocês, mas que incrivelmente além de sobreviverem a geração de vocês, perduram até a nossa e provavelmente não estaremos aptos a erradicá-las a ponto de torná-las apenas exceções.

Quando minha geração atingir uma idade mais elevada, talvez tantas pessoas não morram exclusivamente por suas sexualidades e identidade de gêneros. Talvez mulheres sejam cada vez menos vítimas de abusos. Talvez consigamos acabar com a guerra as drogas, e liberar a maconha (é a tendência, aceitem, assim como aceitamos socialmente o álcool, tabaco e benzodiazepínicos). E quem sabe, com muita sorte, nós começaremos a olhar uns para os outros e lutarmos uns pelos outros, e não, apenas em causas de interesse próprios.

E então provavelmente a próxima geração a minha, poderá me culpar por ter aceitado que povos sejam explodidos por drones não tripulados, onde quem aperta o botão está sentado em uma abrigo de segurança máxima presidindo um dos países considerados como Grandes Potências, e provavelmente por minha culpa também, praticamente imbatíveis, intolerantes e totalitários.

A próxima geração poderá me agradecer também por deixá-los a merce de um sistema que continuará não dando a mínima para as classes trabalhadoras e visará o capital como seu bem máximo. A próxima geração também deverá me agradecer pelos impactos ambientais gigantes que o acumulo de todas nossas gerações - mas sem dúvida, será a minha a mais devastadora-, impactará na vida deles de forma direta e beirando a irreversibilidade.

Um mundo onde cada vez mais os pobres não terão chance de uma vida digna, e os que estiverem acima dos mais pobres e abaixo dos mais ricos, cairão, todos juntos em uma classe tão inferiorizada quanto os servos do feudalismo, porém dessa vez a justificativa será meritocrata: vocês tiveram a chance de serem os mais ricos na geração passada e se seus pais não atingiram o topo da classe econômica, bem, vocês fizeram por merecer suas misérias atuais.

Então talvez a minha geração até mude umas coisas, mas, se continuarmos nos apegando a ideias que estão com nós desde o feudalismo, transpuseram o imperialismo e hoje, são a base do capitalismo atual, só se mudarmos talvez, em algumas gerações futuras, seja possível um futuro muito mais harmonioso e justo para todos, ou apenas, menos horripilante quanto o que hoje é possível projetar.

Wilhelm Reich e uma análise política em 1940


Eu gostaria sinceramente que você desse uma chance para uma introdução de um livro escrito em 1940 por um cientista que nasceu em algum lugar da Ucrânia (na época império austro-húngaro).

Se tua resposta for "okay, vamos tentar", então eu peço que tenha algumas coisas em mente antes de prosseguir: 
a) A época que o livro foi escrito, digamos que em 1940 algumas vírgulas e algumas frases vão te dar agonia, mas nada impossível de ler. Mantive a transcrição extremamente original ao livro. 
b) Em 1940 estava acontecendo ainda a Segunda Guerra Mundial, então, por favor, colocar-se dentro do período ao ler a introdução. 


Introdução:



"Liberalismo e democracia sentiram-se tão ameaçados como a ditadura do proletariado, a honra do socialismo tanto quanto a honra da mulher alemã. Na realidade só uma atitude e só uma classe de ordem social e moral é ameaçada pela elucidação do funcionamento da vida, e é o regime autoritário ditatorial de qualquer espécie que procura, através de uma moralidade e de um trabalho compulsivos, destruir a decência espontânea e a auto-regulagem das energias vitais.

Entretanto - ponhamos agora os pontos nos ii - não é só nos Estados totalitários que se encontra a ditadura totalitária. Ela está igualmente na Igreja e nas instituições acadêmicas, entre os comunistas e os governos parlamentares. É uma tendência humana universal, causada pela supressão da vida; a educação autoritária constitui a base psicológica das massas populares de todas as nações para a aceitação e o estabelecimento da ditadura. Seus elementos básicos são a mistificação do processo vital, um concreto desamparo de caráter material e social, o medo de assumir a responsabilidade de orientar a própria vida e, por isso, o desejo mais ou menos forte de uma segurança ilusória e de autoridade ativa ou passiva. A verdadeira e secular luta pela democratização da vida social baseia-se na autodeterminação, na sociabilidade e moralidade naturais, no trabalho agradável e na alegria terrena do amor. Encara qualquer ilusão como um perigo. Por isso, não somente não temerá a compreensão natural e científica da vida, mas dela se servirá para dominar os problemas decisivos para o desenvolvimento da estrutura humana de forma não ilusória, mas científica e prática. Há esforços em toda parte no sentido de transformar a democracia formal em uma autêntica democracia de todos os homens e mulheres que labutam, em uma democracia do trabalho, adaptada à organização natural do trabalho."

[...]

"A higiene mental em escala maciça exige o poder do conhecimento contra o poder da ignorância; o poder do trabalho vitalmente necessário contra qualquer forma de parasitismo, quer seja de natureza econômica, intelectual ou filosófica. Levando-se a sério, a ciência natural pode tornar-se uma cidadela contra essas forças que destroem a vida, seja qual for o autor ou o lugar dessa destruição. Claro está que uma pessoa sozinha não possui o conhecimento necessário para salvaguardar a função natural da vida. A visão cientificamente racional da vida exclui a ditadura e exige a democracia no trabalho.

O poder social, exercido pelo povo, através do povo, e para o povo, produzido pelo amor natural à vida e pelo respeito ao trabalho executado, seria invencível. Entretanto, esse poder pressupõe que as massas trabalhadoras se tornem psiquicamente independentes e capazes de assumir a responsabilidade total pela existência social e de determinar racionalmente sua própria vida. O que impede que isso aconteça é a neurose psíquica da multidão, que se materializa em todas as formas de ditadura e em todas as formas de tumulto político. Para dominar a neurose coletiva e o irracionalismo na vida social, i.e., para efetuar uma verdadeira higiene mental, é necessária uma estrutura social que deve, antes de tudo, eliminar a miséria material e salvaguardar o livre desenvolvimento das energias vitais em casa um e em todos. Essa estrutura social só pode ser a verdadeira democracia.

Entretanto, a verdadeira democracia não é uma condição de 'liberdade' que possa ser oferecida, concedida, ou garantida a um grupo populacional por um governo eleito ou totalitário. A verdadeira democracia é um processo longo e difícil, no qual o povo, protegido social e legalmente, tem (não recebe) todas as possibilidades de se exercer a si mesmo na administração de sua conduta social, individual e vital, e de progredir em direção a todas as formas melhores de vida. Em suma, a verdadeira democracia não é uma manifestação acabada que, como certos anciãos, goze seu glorioso passado de lutas. É, antes, um processo de luta incessante com os problemas de desenvolvimento ininterrupto de novas idéias, de novas descobertas e de novas formas de vida. O desenvolvimento será continuo e impossível de ser rompido somente quando o antiquado e senil, que desempenhou seu papel em estágio anterior de desenvolvimento democrático, for suficientemente lúcido para dar lugar ao jovem e novo em vez de reprimi-lo apelando para a dignidade ou para a autoridade convencional. 


A tradição é importante. É democrática quando desempenha sua função natural de prover a nova geração com um conhecimento das boas e más experiências do passado, i.e., sua função de capacitá-la a aprender à custas dos erros passados a fim de não os repetir. A tradição torna-se a ruína da democracia quando nega à geração mais nova a possibilidade de escolha; quando tenta ditar o que deve ser encarado como 'bom' e como 'mau' sob novas condições de vida.

Os tradicionalistas fácil e prontamente se esquecem de que perderam a capacidade de decidir o que não é tradição. Por exemplo, o aperfeiçoamento do microscópio não foi conseguido pela destruição do primeiro modelo: o aperfeiçoamento foi realizado com a preservação e o desenvolvimento do modelo primitivo a par com um estágio mais avançado do conhecimento humano."

[...]

"O desenvolvimento da democracia anterior à guerra em uma perfeita e verdadeira democracia do trabalho significa que o publico em geral deve adquirir uma real determinação de sua existência no lugar do tipo formal, fragmentário e defeituoso de determinação que tem presentemente. Significa que o caráter político irracional da vontade do povo deve ser substituído pelo domínio racional do processo social. Isso exige a progressiva auto-educação do povo em direção à liberdade responsável. em vez da suposição infantil de que a liberdade pode ser recebida como um presente, ou pode ser garantida por alguém. Se a democracia quer erradicar a tendência à ditadura nas massas populares, deverá provar que é capaz de eliminar a pobreza e de conseguir a independência racional do povo. Isso, e só isso, pode chamar-se desenvolvimento social orgânico.

É minha opinião que as democracias européias foram derrotadas na luta contra a ditadura porque os sistemas democráticos estavam por demais carregados de elementos formais, além de serem deficientes demais quanto a uma democracia objetiva e prática. O medo à vida essencial determina todas as medidas educacionais. A democracia era considerada uma condição de garantia da 'liberdade' e não um instrumento no desenvolvimento da responsabilidade nas massas. Mesmo nas democracias, o povo era ensinado, como ainda o é, a ser cegamente fiel. As catástrofes dos tempos mostraram-nos que o povo ensinado a ser cegamente fiel em qualquer sistema se privará da própria liberdade; matará o que lhe dá liberdade e fugirá com o ditador.

Não sou político e nem versado em política, mas sou um cientista socialmente consciente. Como tal, reivindico o direito de dizer o que identifiquei como sendo a verdade. Se minhas observações científicas tiverem a capacidade de conduzir a uma organização melhor das condições humanas, o objetivo de meu trabalho será atingido. Quando as ditaduras forem reduzidas a zero, a sociedade humana precisará de verdades, e justamente de verdades impopulares. Essas verdades que se relacionam com as razões não reconhecidas do atual caos social prevalecerão finalmente, quer queira ou não o povo. Uma dessas verdades é que a ditadura tem suas raízes no medo irracional das massas à vida. Aquele que expõe essas verdades se arrisca muito - mas pode esperar. Não se sente forçado a lutar pelo poder com propósito de impor a verdade. Seu poder reside no seu conhecimento de fatos que, em geral, pertence ao gênero humano.

Não importa quão desagradável possam ser esses fatos; em tempos de exigência social extrema o desejo de viver da sociedade forçá-la-á a conhecê-los, apesar de tudo o mais. O cientista é obrigado a insistir no direito à liberdade de expressão sob todas as condições; esse direito não deve ser deixado àqueles cuja intenção é suprimir a vida. Ouvimos tanto a respeito do dever de um soldado - o desejo de sacrificar a própria vida pela pátria; ouvimos tão pouco sobre o dever de um cientista - de expor uma verdade uma vez que tenha sido reconhecida, custe o que custar.

O médico, ou, o professor, tem uma única responsabilidade, i.e, praticar inflexivelmente sua profissão, sem levar em conta os poderes que suprimem a vida, e ter em mente apenas o bem-estar dos que lhe são confiados. Ele não pode representar quaisquer ideologias que contradigam a ciência médica ou pedagógica.

Aqueles que se chamam a si mesmos democratas e querem contestar esse direito do pesquisador, do médico, do educador, do técnico ou do escritor são hipócritas ou, no mínimo, vítimas da chaga do irracionalismo. Sem firmeza e seriedade nas questões vitais, a luta contra a chaga da ditadura é uma luta sem esperança, porque a ditadura floresce - e só pode florescer-, na obscuridade dos fins não compreendidos da vida e da morte. O homem é um ser desamparado quando lhe falta o conhecimento; o desamparo causado pela ignorância é o fertilizante da ditadura. Um sistema social não pode ser chamado de democrático se tem medo de propor questões decisivas, de encontrar respostas insólitas, e de entrar em discussão a respeito dessas questões e respostas. Nesse caso, é derrotado pelo mais leve ataque a suas instituições por parte dos ditadores potenciais. Isso foi o que aconteceu na Europa.

A 'liberdade religiosa' é uma ditadura quando não caminha de mãos dadas com a liberdade da ciência; pois, se este é o caso, não há livre competição na interpretação do processo da vida. Deve decidir-se de uma vez por todas se 'Deus' é uma figura divina, barbuda, toda-poderosa, ou se representa a lei cósmica da natureza, que nos governa. Só pode haver um entendimento entre a ciência e a religião se Deus e a lei da natureza forem idênticos."

[...]

"Nosso mundo, na verdade, se tornou desconjuntado. Não importa, porém, a maneira como as sangrentas lutas do presente ensombrecem os séculos vindouros, permanece o fato de que a ciência da vida é mais poderosa que a tirania e que todas as formas de negação de vida. Foi Galileu, não Nero, quem assentou os fundamentos da tecnologia; Pasteur e não Napoleão, quem combateu as enfermidades; Freud, e não Schicklgruber, quem sondou as profundidades psíquicas. Foram esses cientistas, em suma, que asseguraram nossa existência. Os outros apenas abusaram das realizações de grandes homens para destruir o processo vital. As raízes da ciência natural penetram mais fundo que qualquer transitório tumulto fascista."

Wilhelm Reich - A função do orgasmo.
Nova York, Novembro de 1940.

12 de jul de 2013

Democracia por Wilhelm Reich

Estava lendo a terceira edição de um livro, esta edição é de 1947, cujo o autor é Wilhelm Reich. Muitos países nesta época estavam no regime de Ditadura, e seu livro foi proibido em muitos países. O autor avisa que não é especialista sobre política, mas que era essa a visão dele, sobre o assunto:

"O poder social, exercido pelo povo, através do povo, e para o povo, produzido pelo amor natural à vida e pelo respeito ao trabalho executado, seria invencível. Entretanto, esse poder pressupõe que as massas trabalhadoras se tornem psiquicamente independentes e capazes de assumir a responsabilidade total pela existência social e de determinar racionalmente sua própria vida. O que impede que isso aconteça é a neurose psíquica da multidão, que se materializa em todas as formas de ditadura e em todas as formas de tumulto político. Para dominar a neurose coletiva e o irracionalismo na vida social, i.e., para efetuar uma verdadeira higiene mental, é necessária uma estrutura social que deve, antes de tudo, eliminar a miséria material e salvaguardar o livre desenvolvimento das energias vitais em casa um e em todos. Essa estrutura social só pode ser a verdadeira democracia."

"Entretanto, a verdadeira democracia não é uma condição de 'liberdade' que possa ser oferecida, concedida, ou garantida a um grupo populacional por um governo eleito ou totalitário. A verdadeira democracia é um processo longo e difícil, no qual o povo, protegido social e legalmente, tem (não recebe) todas as possibilidades de se exercer a si mesmo na administração de sua conduta social, individual e vital, e de progredir em direção a todas as formas melhores de vida. Em suma, a verdadeira democracia não é uma manifestação acabada que, como certos anciãos, goze seu glorioso passado de lutas. É, antes, um processo de luta incessante com os problemas de desenvolvimento ininterrupto de novas idéias, de novas descobertas e de novas formas de vida. O desenvolvimento será continuo e impossível de ser rompido somente quando o antiquado e senil, que desempenhou seu papel em estágio anterior de desenvolvimento democrático, for suficientemente lúcido para dar lugar ao jovem e novo em vez de reprimi-lo apelando para a dignidade ou para a autoridade convencional."

"A tradição é importante. É democrática quando desempenha sua função natural de prover a nova geração com um conhecimento das boas e más experiências do passado, i.e., sua função de capacitá-la a aprender à custas dos erros passados a fim de não os repetir. A tradição torna-se a ruína da democracia quando nega à geração mais nova a possibilidade de escolha; quando tenta ditar o que deve ser encarado como 'bom' e como 'mau' sob novas condições de vida."


Achei muito propício pela situação que temos atualmente no brasil (sim, com b minúsculo); que as lutas continuem, será longa mas tudo se é possível quando temos um povo na rua sabendo o que está dizendo e buscando. Por isso, informe-se, leia e pense por si só. Saia das mídias conhecidas, utilize mídias independentes, vídeos, declarações de pessoas que participam dos protestos..

31 de mar de 2012

Pirataria: os Lordes Feudais da indústria do cinema e televisão desaprovam, entenda mais sobre


Senhores lordes feudais da indústria do cinema e televisão: vocês querem terminar com a pirataria simplesmente porque é contra as leis, e que obviamente nenhum dos Senhores, atores, produtores (e toda a equipe envolvida na filmagem) lucram com isso. - Essa é a argumentação usada por vocês, permitam-me explicar para as pessoas o que de fato ocorre.

Bom, aqui vai uma novidade: Não existirá nenhuma forma de combate a pirataria eficaz, seja ela através da internet ou por uma banca que vende a mídia física falsificada. 
Vamos supor que eles possuem os melhores empregados do mundo que trabalham na produtora (ou emissora de tv) e que os empregados nunca vazem os materiais em quais estão trabalhando. OK, show, acabou a pirataria? Não, ainda existirá duas formas de adquirir esse conteúdo: Através de ripagem feita direito da TV ou através de locação da mídia física em locadoras. Todas essas formas são meios legais onde eles - Senhores feudais -, ganham dinheiro.

No exato momento em que a emissora compra os direitos de tramsitir um filmes, seriados, animes, shows, (etc,etc), ela pagará por isso, e esse dinheiro chegará até eles.

Se o produto que foi vendido for ruim ele deve conseguir ter uma venda para 2 emissoras em todo mundo - isso é uma suposição com base apenas em uma visão pessimista, estou ignorando o fato de que uma série, anime, filme e etc, deve passar por uma "aprovação" antes de ser investido e  liberado para ser criado o roteiro completo, gravado e etc. Sendo ainda que se o houver uma  melhora na segunda temporada o número de vendas tanto da primeira como da segunda temporada aumenta drasticamente.

Ou seja: sempre há um retorno financeiro para esses Senhores e sua equipe.

Outra fonte de renda é a própria propaganda que é feita, por exemplo: colocar um camaro lindão no filme. Obviamente a Ford pagou por isso: para aparecer, fora o fato de que provavelmente emprestou o carro para que pudesse ser filmado, e com o resultado do filme e de várias outras coisas, acabou tendo uma boa venda de Camaros.

A grande questão é que esses Senhores são egoístas o suficiente e querem ter o controle absoluto do mercado - não sendo permitido nenhuma versão mais "econômica" da mídia que estão vendendo e nem oferecendo qualidade para aqueles que marcham com R$50 para comprar um DVD original.

Ainda existem muitas pessoas (e eu sou uma delas) que adoram ter a mídia original (com a luva e um 'pequeno livro' com bobagens sobre a obra) em casa, alguns deles (eu me incluo) reservam e mandam fazer um espaço em suas casas só para colocar aqueles materiais originais e impecáveis em um lugar onde fique organizado e visível para todos.

Esses dias eu estava vendo o DVD da Adele original (eu ainda não adquiri) de uma pessoa que me emprestou (serei presa por isso FBI? Ah, é to no Brasil, ufa :] ) e pela primeira vez tive a oportunidade de conferir a obra mais de perto - no caso é aquele KIT que vem o CD e o DVD juntos na mesma luva-, depois de olhar (somente a luva) eu cheguei em observações interessantes:

1) Obviamente eu virei a luva e li a parte de trás onde dizia: "Este produto não contém nenhuma legenda".

2) Achei um "livrinho" dentro da luva (obaa!!), mas só continham fotos da Adele e nada mais (¬¬³).

3) O material da luva é de baixa qualidade.

4) Dependendo de como tu colocar esse "livrinho" dentro da luva, ela não fecha.

Ps: pra quem não sabe a resposável pela comercialziação do DVD, CD, Kit da Adele aqui no Brasil é a Sony.

Então eu comecei a lembrar que os CD's de antigamente vinham com as letras de todas as músicas que estavam no CD. E que também quando se colocava o CD em um computador e ele tinha umas "coisinhas relativamente interessantes"..

Fui olhar o DVD em uma TV relativamente antiga de 42" de LCD e a princípio não notei quadriculados na imagem e o som estava ótimo.

O grande detalhe a ser destacado é que na internet é possível achar a legenda em português (pt-br) do show da Adele.

Eu não entendo, as empresas reclamam de pirataria porém não querem se esforçar nem investir para conseguir vender um produto.
A Sony deveria ter legendado todo o DVD e inclusive ter disponibilizado a legenda em Inglês que é o som oringial.

Outro exemplo é que esses dias eu comprei todas as temporadas de um seriado que eu assistia (a série já foi concluída e tudo mais), e ao ver a parte de trás da luva existe um aviso dizendo que as entrevistas disponibilizadas não estão legendadas.
Obviamente eu já vi todas essas entrevistas no YouTube devidamente legendadas.

A crítica sobre a luva desses 6 box permanece a mesma: baixa qualidade. 
Nesse caso, o seriado começou numerando nos DVDs do box como "disco I, disco II, disco III" - com números romanos -, e na quinta temporada ela colocou arábicos: "disco 1, disco 2, disco 3", o mínimo de padrão nesse caso é muito necessário.

No momento que uma empresa tem pregüiça de fazer um produto de qualidade e reclama porque não consegue vendê-lo, obviamente não é culpa da pirataria, e sim com o serviço "meia-boca" que estão tentando nos vender.

O descaso que as empresas estão tendo com o consumidor é gigantesco, será que eles nunca pensaram que é a falta de qualidade e de coisas "básicas" que deve ter na mídia a ser vendida?

Se a desculpa deles é o valor -já que sairia muito caro desenvolver produtos de qualidades superiores-, saibam meus Senhores: eu preferia pagar R$70, R$80, R$90 por um box completo e feito com todo cuidado do que pagar R$40 ou R$50 por uma coisa tão porca e pobre.
Outra coisa que eu acho válido é fazer dois estilos de mídias: "Popular" e "Completa", sendo assim o estilo Popular pode ser esse que vocês vendem hoje, sem legendar nada, com luvas terríveis e com descaso a tudo, mas obviamente por um preço muito mais baixo do que é vendido atualmente, podemos acertar que um DVD de show nesse estilo "Popular" é aceitável que se pague até R$30 por ele, sendo R$30,00 considerado o lançamento.

Empresas das mais variadas áreas estão perto dos seus clientes/consumidores, tentando agradá-lo para que tenha um resultado satisfatório com seu produto, seja disponibilização atualizações de software, como dando alguma forma de "plus" via o site da empresa ou qualquer coisas do gênero.

Todos mudaram: consumidores, empresas, a tecnologia utilizada em filmes, a única coisa que não mudou é os Senhores da indústria do cinema e televisão tentarem culpar a pirataria por algo que definitivamente ela não tem culpa.

23 de jan de 2011

Inteligência Emocional

Se existe um livro que deveria ser obrigatório para todos lerem, sem exceções, esse livro deveria ser: "Inteligência Emocional" do Daniel Goleman.
Estou quase na metade do livro, porém tudo que eu já tinha como ideologia e praticava está nesse livro.
O livro basicamente sugere uma reeducação emocional baseado na nossa inteligência, é como se nos doutrinássemos a passar por tudo, desde uma explosão emocional, como a viver o dia-a-dia de uma forma mais racional, porém sem se desligar do emocional, que é o que de fato nos mantém longe de ser um psicopata. (Pausa, provavelmente você pode ter uma idéia errada sobre o que é um psicopata, caso esteja interessado, pode ver algumas entrevistas da Dr. Ana Beatriz Silva, uma médica com pós-graduação em psiquiatria, ou até quem sabe comprar um livro dela e me emprestar =D
Links:
Site oficial
Enfim, esses são algumas das entrevistas dela..)


Na página 55 do livro, é listado algumas definições básicas de inteligência emocional, dividindo-as em 5 partes:
1) Conhecer as próprias emoções: Autoconsciência - reconhecer um sentimento quando ele ocorre - é a pedra de toque da inteligência emocional. A capacidade de controlar sentimentos a cada momento é fundamental para o discernimento emocional e para a autocompreensão. A incapacidade de observar nossos verdadeiros sentimentos nos deixa à mercê deles. As pessoas mais seguras acerca de seus próprios sentimentos são os melhores pilotos de suas vidas, tendo uma consciência maior de como se sentem em relação a decisões pessoais, desde com quem se casar a que emprego aceitar.
Indiscutível: conheça-te e conhecerá qualquer outra coisa ao seu redor. Aprenda a reconhecer o que está sentido, não esconda da única pessoa que poderá se beneficiar com ele - você.
Quando reconhecemos um sentimento estamos na verdade aceitando a existência dele, e só assim podemos trabalhar isso de uma forma positiva ou negativa. Só após isso podemos fazer algo em relação à ele, ou a você.
2) Lidar com emoções: Lidar com os sentimentos para que sejam apropriados é uma aptidão que se desenvolve na autoconsciência. As pessoas que são fracas nessa aptidão, vivem constantemente lutando contra os sentimentos de desespero; enquanto as outras se recuperam mais rapidamente dos reveses e perturbações da vida. 
A questão é: aceite o que você sente e se recupere, simples assim. Difícil é ficar ocultando o que você sente e demorar muito mais tempo para conseguir se recuperar.
3) Motivar-se: Pôr as emoções a serviço de uma meta é essencial para centrar a atenção, para a automotivação, a maestria, e para a criatividade. O autocontrole emocional - saber adiar a satisfação e conter a impulsividade -, está por trás de qualquer tipo de realização. E a capacidade de entrar em um estado de "fluxo" possibilita excepcionais desempenhos. As pessoas que tem essa capacidade tendem a ser mais produtivas e eficazes em qualquer atividade que exerçam.
A motivação sempre moveu as pessoas. Motive-se para fazer algo, e será simples fazê-lo. No decorrer do livro o autor descreve exatamente sobre o "fluxo" que foi citado, mas de uma forma resumida é quando se entra em sintonia de inspiração. Pessoas descrevem como uma leveza no que está fazendo, perdendo a noção do que ocorre à sua volta, sendo que você continua fazendo esta atividade de uma maneira tão fluente e tão empolgante - este é o "fluxo".
4) Reconhecer emoções nos outros: A empatia, outra capacidade que se desenvolve na autoconsciência emocional, é a "aptidão pessoal" fundamental. As pessoas empáticas estão mais sintonizadas com os sutis sinais do mundo externo que indicam o que os outros precisam ou querem.
No momento em que se aprende "ouvir" o que você está sentido, você se torna mais "sensível" aos sentimentos, tanto teus como de outros. O fato de você conhecer os sentimentos em ti, torna-se tão natural que você passa a reconhecer nas outras pessoas. E é esse o ponto chave do autoconhecimento. No momento que você se conhece, você conhece qualquer outra pessoa.
5) Lidar com relacionamentos: A arte de se relacionar é, em grande parte, a aptidão de lidar com as emoções dos outros. São as aptidões que reforçam a popularidade, a liderança e a eficiência interpessoal.
O importante de tudo mesmo, é saber lidar com você. Não há de forma alguma, como você não se conhecer e querer conhecer outra pessoa. É como se você quisesse ler um livro sem ter que aprender o alfabeto e posteriormente à ler e escrever.

Já no capítulo 4: "conheça-te a ti mesmo" à uma lista com 3 tipos de estilos em que as pessoas adotam para acompanhar e manejar suas emoções:
1) Autoconsciente: Consciente de seu estado de espírito no momento em que ele ocorre, essas pessoas, evidentemente, são sofisticadas no que diz respeito à sua vida emocional. A clareza com que sentem suas emoções pode reforçar outros traços de suas personalidades: são autônomas e conscientes de seus próprios limites, gozam de boa saúde psicológica e tendem a ter uma perspectiva positiva sobre a vida. Quando entram num estado de espírito negativo, não ficam ruminando nem ficam obcecadas com isso e podem sair dele mais rápido. Em suma, a vigilância as ajuda a administrar suas emoções.

2) Mergulhadas: São pessoas muitas vezes imersas em suas emoções e incapazes de fugir a elas, como se aquele humor houvesse assumido o controle sobre suas vidas. São instáveis e não tem muita consciência dos próprios sentimentos, de modo que se perdem neles, ficando sem perspectivas. Em conseqüência, pouco fazem para tentar escapar desses estados de espírito negativo, achando que não são capazes de exercer controle sobre suas emoções. Muitas vezes se sentem esmagadas e emocionalmente descontroladas.

3) Resignadas: Embora essas pessoas muitas vezes vejam com clareza o que estão fazendo, também tendem a aceitar seus estados de espírito e, portanto não tendem mudá-los. Parece haver dois ramos do tipo resignados: os que estão geralmente de bom humor e por isso pouca motivação têm para mudá-los, e os que, apesar de verem com clareza seus estados de espírito, são susceptíveis aos maus e os aceitam com um "deixa rolar", nada fazendo para mudá-los, apesar da aflição que sentem - um padrão encontrado, por exemplo, em pessoas deprimidas que se resignam ao desespero. 
Moral da história?  Conheça seus sentimentos, conheça-te e não deixe que seu lado emocional domine sua vida, ou pior ainda, domine à você.

18 de jul de 2010

Sugestão de Animes

Quem fala comigo sabe que eu to sempre pedindo indicações de animes e seriados. Isso porque quando eu começo a ver eu não paro até chegar o último episódio, ou o episódio atual. Então este post são para pessoas tipo: eu - que sempre tem indecisão na hora de ver algo. Abaixo segue alguns animes que eu recomendo e um porquê eu gostei.





Tenjou Tenge (Artes Marciais)
Se passa em uma escola, onde os personagens fazem parte de alguma "academia de artes marciais", cada academia tem um estilo. Esse anime eu dei um tiro no escuro, fui sem indicações nenhuma só lendo a sinopse, curti e resolvi continuar vendo.
É um anime relativamente novo, sem continuação, gostei muito dele devido as cenas de luta, achei bem desenhado e curti a história. Quem gosta de animes de artes marciais vai curtir.
Sinopse:
Souchirou Nagi e Bob Makihara são dois delinquentes que acabaram de chegar à escola Toudou, o objetivo deles é de dominar toda a escola usando da força, como fizeram nas outras escolas por onde passaram. Porém, logo que chegam eles dão de cara com um grupo de artes marciais chamado de Jyuunkenbu e formado por apenas três membros: As irmãs Maya Natsume e Aya e Masataka Takayanagi, que conseguem derrotar facilmente Souchirou e Bob. Mais tarde, um grupo de artes marciais rival do grupo Jyuunkenbu atacam Souchiro e Bob achando que eles fazem parte do grupo, eles então não têem outra escolha a não ser se aliar a Jyuunkenbu e enfrentar o grupo rival.
(Sinopse retirada do site animes shade)




Claymore (Shounen) (Ação)
Basicamente são "mulheres guerreiras" que lutam contram um seres especiais. O anime não é focado em "arte marcial" porém como as Claymores lutam contra Youmas obviamente o anime tem cenas de luta. Achei a história bem interessante e o anime também é curtinho, tem 26 episódios. Esse anime tem umas cenas que são mais dramáticas, mas isso está presente em basicamente todos os animes - se não em todos.
Sinopse:
Nesse mundo, desde épocas antigas, pessoas eram comidas por seres chamados "youma". Por um longo tempo, pessoas viveram sem um meio de lutar contra os eles. Entretanto, surgem mulher meio-humana e meio-youma... Mulheres guerreiras conhecidas como "Claymore", com olhos prateados que podem ver a verdadeira forma dos "youma", e usam uma grande espada como arma, e lutam com os seres que as pessoas nomearam de "youma".
(Sinopse retirada do site animes shade)




Bleach (Ação)
Acho que todos que gostam de animes conhecem bleach, veja bem que conhecer não quer dizer que tu goste. Basicamente eu não gosto muito do personagem principal do anime, o que eu gosto mesmo no anime é a parte da soul society, que pra minha felicidade depois de alguns episódios iniciais o foco é bem grande na soul society.
A soul society nada mais é do que uma "sociedade dos espíritos", acho que poderia ser comparado com o "céu", enfim o anime explica tudo isso em sua devida hora.
O anime apresenta batalhas entre hollows e os capitões que vivem na soul society, considero basicamente um anime de ação, mas ele poderia se enquadrar em vários outros gêneros.
Sinopse:
Kurosaki Ichigo é um garoto de 15 anos, mas ele não é muito normal, ele tem a habilidade de ver espíritos e fantasmas, Um dia, uma Shinigami (Deus da Morte) chamada Kuchiki Rukia aparece caçando um hollow (espírito caído), ela mata o hollow e vai embora sem dizer nada. Há noite, Rukia aparece na casa de Ichigo, Graças a uma forte força espiritual que ela sentiu ali, Rukia se surpreende por um humano poder vê-la, nesse momento um grande hollow agarra a irmã de ichigo, ele corre sem pensar duas vezes em direção ao hollow, para salvar ichigo, que não teria nenhuma chance, Rukia acaba se ferindo, e o único meio agora era transferindo os seus poderes Shinigamis para Ichigo. Após esse incidente, Rukia não tem outra escolha a não ser viver com Ichigo por enquanto ela não recupera seus poderes Shinigamis. Daí se tem inicio a uma grande história, de um dos melhores animes da atualidade. 
(Sinopse retirada do site animes shade)



Cavaleiros do Zodíacos
Acho que esse é um clássico que dispensa qualquer comentário, mas eu adoro, só teve uma saga que na minha opinião foi chata que foi a saga do Poseidon.



Naruto (Ação) (Artes Marciais)
Particularmente eu gostei muito mais quando chegou no Shippuden, daí o anime ficou ótimo, mas mesmo antes eu já gostava, só que você deve ter em mente que eles são crianças então por isso fazem algumas coisas tão estúpidas. Fora isso acho todo o anime muito bom, e a minha luta preferida até agora é a do Lee contra o Gaara. Não gosto muito do personagem principal, mas depois que ele cresce (Shippuden) ele se torna muito melhor.
Sinopse:
Uzumaki Naruto é um jovem órfão que acaba de se graduar na escola ninja, sonhando se tornar um mestre ninja. Para as suas primeiras missões como ninja, ele é designado para uma equipe junto com dois amigos de classe: Sakura (por quem ele é apaixonado) e Sasuke (por quem Sakura é apaixonada), junto com o mestre Kakashi. Os quatro saem para fazer missões, que são aparentemente fáceis, mas que de que alguma forma acaba se tornando missões perigosas.

Naruto, mas do que qualquer um, deseja provar para todos da vila o seu valor, e ser reconhecido como o maior ninja de todos, e qual o porquê disso? Há 13 anos atrás, um Demônio Raposa muito poderoso atacou a vila oculta da folha, o quarto hokage (título que se da ao ninja mais poderoso da vila) deu a sua vida para selar o demônio dentro de um bebê, esse bebê é Naruto, que seria odiado pelo resto da vila. Até os 13 anos de idade, Naruto nunca entendeu muito bem porque todos olhavam para ele de cara torta, e sempre fez todas as travessuras para chamar a atenção... Agora que ele sabe a verdade, vai fazer de tudo para se tornar um grande herói para a vila. A partir de agora se tem inicio a saga de naruto.
 
(Sinopse retirada do site animes shade) 



Hokuto no Ken (Artes Marciais)
O anime começou a ser produzido em 1984, então é um anime bem antigão e talvez por isso eu não tenha conseguido passar de 10 episódios, porém é um bom anime, é a base de qualquer anime "shounen ou seinen", se você já viu Cavaleiros do Zodíaco e for ver esse anime, vai ver que existe muito em comum, não somente à sua história, mas também a maneira que o anime se apresenta. Em Cavaleiros do Zodíaco tem aquele lance da Saori aparecer várias vezes desenhada no "céu", o que acontece muito no Hokuto no Ken. 
Acho válido esse anime pra quem gosta desses estilos, pra saber como foi um dos primeiros - se não o primeiro-, anime neste estilo. 
É um anime bem "sangrento" mas não aparece a luta mesmo, aparece só os golpes principais, acredito que isso deve-se à época de 1984.
Sinopse:
Caos. Ódio. Destruição. Os mares secaram, os solos racharam. A vida é um suplício cuja cura é a morte. Com a escassez de água e comida. A sobrevivência do mais forte é, mais do que nunca, a única lei vigente neste mundo onde todas as demais formas de vida se extinguiram, exceto a humanidade, que persevera. Vagando neste mundo está o descendente do Hokuto ShinKen, uma ancestral escola de Kung-Fu baseada apenas em técnicas para matar o adversário. Seu nome é Kenshiro Kasumi, portador da marca da Ursa Maior, Hokuto, a chamada estrela da morte, destinada a ser perseguida pela violência aonde quer que vá...

Inicialmente, é notável que as bases apocalípticas de Hokuto no Ken são inspiradas no clássico filme Mad Max, de 1979. Entretanto, com o avanço da história, as semelhanças vão desaparecendo e Hokuto no Ken vai formando uma mitologia própria. Uma história tão grandiosa que gerou, além de um anime em 1984, um filme com atores americanos, em 1995, "Fist of the North Star", o qual, no entanto, tinha qualidade muito aquém da saga original, que tem ainda em um "primo", Souten no Ken (Punho do Céu Azul). Desta vez, o protagonista Kenshiro é o tio do personagem de Hokuto no Ken, vivendo na Shanghai de 1935, 64 anos do acidente atômico que gerou o apocalíptico mundo de 2010. O mundo de Hokuto no Ken (Punho da Estrela do Norte) é transportado à realidade dos mafiosos do início do século XX, com as mesmas doses de ação e violência, mas com um peculiar toque de humor inédito na obra original.
(Sinopse retirada do site animes show)



Fullmetal Alchemist (Aventura)
Um ótimo anime sobre alquimia. A história conta com dois personagens que tiveram pedaços de seus corpos debilitados devido à uma alquimia que é considerada proibída.
No início do anime isso já fica bem claro, o que houve com eles e porquê eles estão usando partes "metálicas" em seus corpos.
A história em sí é muito boa e divertida é um ótimo anime de aventura.
Sinopse:
Depois de perderem sua mãe, Alphonse e Edward Elric tentam trazê-la de volta usando uma técnica de alquimia proíbida. Contudo, o princípio básico da alquimia é a 'troca equivalente', e tentar ressucitar alguém custa muito alto. Ed perde sua perna, e Al perde seu corpo. Ed consegue selar a alma de Al dentro de uma grande armadura metálica, dando em troca seu braço. Anos depois, Ed (com dois membros de metal) e Al (ainda preso na armadura) deixam a sua cidade natal.

Ed, que possui um talento nato para a alquimia, se torna um alquimista com certificado nacional, e logo passa a ser chamado de 'full metal alchemist'. Mas o verdadeiro objetivo dos irmãos é encontrar a pedra filosofal, na esperança de recuperarem os seus corpos originais. Logo eles descobrem que essa mística pedra, que pode nem existir, é visada não só por eles, mas como muitas outras pessoas também...
(Sinopse retirada do site animes shade)




Death Note (Suspense)
Basicamente um jogo de persiguição entre o usuário do Death Note e um dos mais brilhantes investigadores conhecido com "L". A medida que o tempo vai pansando e L tentando descobrir quem é o usuário do Death Note, mais esse usuário tem que pensar à frente do L para não ser pego. Veja que essa persiguição não consiste em uma "perseguição policial" e sim na tentativa de descobrir quem é ele.
Um ótimo anime, um dos meus favoritos.
Sinopse:


"The humam whose name is written in this note shall die."

Yagami Raito é um estudante brilhante que vive imerso em tédio, certo dia ele encontra um Death Note (Caderno da Morte), e a pessoa que tiver o nome escrito ali, morre imediatamente. Este Death Note foi jogado na terra propositalmente por Ryuuku, um Deus da morte que também estava entediado, pra saber o que um mero humano faria com o caderno.
Com o Death Note em mãos, Raito decide criar um Mundo perfeito, um Mundo sem crimes nem criminosos e, a partir do momento que criminosos do mundo todo começam a morrer, um a um, o legendário detetive "L" é convocado pelas autoridades para descobrir quem é o mistérioso assassino.
(Sinopse retirada do site animes shade)




Yu Yu Hakusho (Artes Marciais) (Ação)
Estou vendo ele agora, estou na "segunda temporada" e a história toda do anime na minha opinião é muito boa.
Gosto do personagem principal e dos seus "amigos". A única coisa que me deixou um pouco triste é porque eu adoro cenas de treinamentos, e no Yu Yu Hakusho mostrou muito pouco mesmo, mas fora isso é ótimo, cada vez ele tem uma missão diferente que envolve assuntos diferentes então é algo que não te enjoa de olhar. 
Sinopse:
Yusuke Urameshi, de 14 anos, morre ao impedir que uma criança seja atropelada, pelo fato de Yusuke ser um bad boy, até o mundo espiritual foi pego de surpresa pelo sacrificio feito por ele. Foi tão inesperado que eles não tinham pra onde mandá-lo, já que o garoto que ele salvou não teria morrido se fosse atropelado. Então Yusuke recebe uma chance de voltar a vida, ele passa no teste e se torna detetive espiritual, após isso passa a viver uma aventura atrás de outra com seus companheiros, seja em uma investigação ou num torneio de artes marciais.
(Sinopse retirada do site animes shade)



Provavelmente eu tenha esquecido de algum anime que eu curti e não coloquei aqui, mas estou com outra lista de animes e depois de um tempo talvez eu volte e indique eles. A maioria dos animes que citei são bem conhecidos mas tem uns 3 que talvez o pessoal não conheça que de fato são bons, então fica a dica pra quando vocês estiverem procurando um anime para olhar. =]

22 de jun de 2010

Erro de acentuação PHP

Estava trabalhando em um projeto onde eu buscava informações de um XML, problema: xml codificado como ISO-8859-1, e o site com codificação UTF-8 .
Obviamente dava problema de acentuação, mas principalmente porque o que vem do XML está tudo em maiúsculo e ao tentar deixar minúsculo e só a primeira letra maiúscula ( ucwords e strtolower ) ele se perdia na acentuação. O problema estava na função: strtolower, tentei usar utf8_encode (que codifica de iso para utf8), tentei htmlentities, e em uma tentativa de desespero, tentei utf8_decode (que codifica de utf8 para iso), afinal, vai saber né?
Porém todas as tentativas foram inválidas, já estava querendo fazer um str_replace e deixar sem acentuação mesmo, antes de fazer isso, comecei a procurar na internet uma solução, foi aí então que descobri uma função do php bem simples que resolveu todos os meus problemas:

mb_strtolower.


Caso queiram ver mais informações sobre a função é só ir no php manual que lá tem, e da mesma forma que existe mb_strtolower, existe mb_strtoupper.
Então fica a dica, sempre nos deparamos com problemas de acentuações, ainda mais quando o projeto não foi planejado pela sua empresa, ou até mesmo por você. Soluções simples são sempre melhores.
=]